“Tempo é Cérebro”. Esta é uma expressão que pode ajudar a salvar vidas no caso de ocorrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

O alerta foi deixado pelo Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), a propósito do Dia Nacional do Doente com AVC, assinalado a 31 de março.

A equipa da Unidade de AVC do HESE associou-se às comemorações da data, realizando sessões de esclarecimento acerca deste tema, que decorreram no espaço Galeria INATEL, em Évora.

Em nota de imprensa, o HESE explicou que “a expressão ‘Tempo é Cérebro’ resume a importância da rapidez de resposta sempre que reconhecemos algum dos três sinais de alerta de um AVC”.

A esse respeito, Sara Pires Barata, neuropsicóloga na Unidade de AVC do HESE, identificou “os três F’s: alteração da face (boca ao lado), perda de força num braço ou perna e dificuldades na fala”.

Lembrou ainda que, “na prevenção do AVC, é crucial o controlo dos fatores de risco vascular, tais como a tensão alta, colesterol alto, obesidade, tabagismo e alcoolismo”.

Em declarações ao Diário do Sul, Sara Pires Barata adiantou que “esta foi uma ação de sensibilização nacional, em que o HESE, através da nossa unidade, se associou para sensibilizar a população para o risco de ter um AVC, mas também para lembrar o que podemos fazer para o prevenir”.

Nesse âmbito, destacou que “apresentámos uma exposição de trabalhos feitos por alunos desde o 1.º ciclo até ao ensino secundário e também algumas fotografias de alunos da Universidade Sénior de Évora”.

A par disso, a neuropsicóloga acrescentou que “voltámos a ter sessões de esclarecimento à população, inclusive com a presença de alunos da Escola Secundária Gabriel Pereira”, realçando que “contámos com o apoio da Sociedade Portuguesa do AVC, que nos disponibilizou material de apoio”.

Quanto aos objetivos, focou que “com estas ações de sensibilização pretendemos explicar o que é um AVC, informar a população sobre os sinais de alerta e como é que as pessoas podem estar despertas caso aconteça a alguém próximo”.

Sara Pires Barata evidenciou ainda “a importância de ativar rapidamente toda a linha de comando, desde o 112 até ao acesso à Via Verde AVC e encaminhamento para o hospital, se for caso disso”.

Ainda na mesma nota de imprensa, a neuropsicóloga salientou que “é fundamental que as pessoas tenham este conhecimento, pois a literacia em saúde salva vidas”, reiterando que “uma população bem formada e informada terá sempre mais ferramentas para prevenir, agir e reajustar”.

Autor: Redação DS / Marina Pardal
Foto: HESE

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Évora: Unidade de Saúde Familiar SALUS inicia projeto piloto: Sistema de Atendimento e Resposta Ágil (S.A.R.A.)

A Unidade de Saúde Familiar SALUS, em Évora, integrada na Unidade Local de Saúde do Alente…