Portugal participou na Operação “Thunder 2021”, durante o mês de outubro, realizando ações de investigação e de fiscalização para combater o comércio ilegal de vida selvagem e os crimes conexos praticados, especialmente sobre a fauna e flora.

A coordenação nacional desta operação incentivada pela INTERPOL coube à Guarda Nacional Republicana (GNR) e à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) em estreita colaboração com a Polícia de Segurança Pública (PSP), Polícia Judiciária (PJ), Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Estas entidades desenvolveram diversas ações especialmente no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção, também conhecida como Convenção de Washington ou CITES, da qual mais de 180 países aderiram e cujo objetivo é o de assegurar que o comércio de animais e plantas não coloque em risco a sua sobrevivência no estado selvagem.

No âmbito desta operação foram realizadas em Portugal, pelas diversas entidades acima mencionadas, mais de duas dezenas de ações de investigação e/ou fiscalização, com os seguintes resultados:

–  1516 animais fiscalizados;

–  28 autos de contraordenação;

–  Nove autos de notícia;

–  Três detenções.

Foram apreendidos os seguintes espécimes e espécies:

–  1549 aves, destacando-se 136 pintassilgos (“Carduelis carduelis”), 95 bicos-de-lacre (“Estrilda astrild”), 35 tecelões de cabeça amarela (“Ploceus megarhynchus”), três catatuas-de-crista-amarela (“Cacatua sulphurea”), 20 pardais-de-Java (“Lonchura oryzivora”), 15 tentilhões (“Fringilla coelebs”), entre outras dezenas de espécimes;

–  Quatro cavalos-marinhos (“Hippocampus”);

–  Três crânios de crocodilos (“Crocodylus niloticus” e “Crocodylus siamensis”);

–  Quatro corais brancos (“Acropora”);

–  Uma concha rainha (“Strombus gigas”);

–  Duas mandíbulas de raia-viola (“Rhynchobatus djiddensis”);

–  Uma iguana (“Iguana iguana”);

–  100 cactos (“Echinocactus grusonii”);

–  100 plantas de Jade (“Crassula ovata”).

Fonte: Nota de Imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

ASAE fiscaliza comércio de alimentos compostos para animais

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) realizou, nas últimas semanas, uma …