São 20 anos de história que marcam o percurso da Gesamb – Gestão Ambiental e de Resíduos. Aproveitando a comemoração desta data, foi inaugurada, no dia 25 de julho, a nova Unidade de Valorização Orgânica, “dedicada exclusivamente ao processamento de biorresíduos recolhidos seletivamente”.

Recorde-se que a Gesamb é “responsável pela gestão dos resíduos urbanos em conjunto com os municípios de Alandroal, Arraiolos, Borba, Estremoz, Évora, Montemor-o-Novo, Mora, Mourão, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas e Vila Viçosa, onde se produzem cerca de 85 mil toneladas de resíduos urbanos por ano”, segundo a informação avançada por esta entidade.

Realçou também que “o setor dos resíduos urbanos tem sido chamado a assumir cada vez mais desafios e de forma mais exigentes, encontrando-se agora à beira de mais uma mudança de paradigma, com a necessidade de retirar da mistura de resíduos mais uma fração, os biorresíduos”, constatando que, “em breve, se juntarão outras, como os resíduos têxteis, os resíduos domésticos perigosos e os volumosos”.

Relativamente ao novo projeto, a mesma fonte adiantou que “é uma peça fundamental da estratégia intermunicipal de biorresíduos, que articula a atuação da Gesamb e dos seus 12 municípios, num esforço conjugado de eliminação da deposição deste precioso recurso em aterro, contribuindo para a sua transformação num composto de elevada qualidade, já certificado e registado com a marca ‘Re-Planta’”.

Durante a cerimónia, a presidente do Conselho de Administração da Gesamb, Sílvia Pinto, e o presidente do Conselho Intermunicipal da CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central, Carlos Pinto de Sá, destacaram alguns dos momentos chave do trabalho realizado ao longo destas duas décadas, evidenciando também a importância desta nova unidade.

De acordo com Sílvia Pinto, “a construção da Unidade de Valorização Orgânica dá-nos uma boa resposta nesta área dos biorresíduos e representou um investimento superior a um milhão de euros, cofinanciado pelo POSEUR”, tendo ainda referido “um outro investimento, de mais 200 mil euros, com recursos próprios, para a instalação de uma cobertura de painéis fotovoltaicos (com produção de 220 kw/hora para autoconsumo)”.

No que diz respeito à instalação de painéis fotovoltaicos, a presidente do Conselho de Administração da Gesamb sublinhou que “a energia é uma das maiores despesas que temos nesta empresa e vimos aqui também uma oportunidade de aliar a questão da sustentabilidade”.

Revelou ainda que, “neste momento, estamos a receber biorresíduos do Município de Évora, e apenas de algumas zonas selecionadas, mas, obviamente, o objetivo é recolher de todos os 12 municípios que fazem parte da Gesamb”.

Sílvia Pinto explicou que “destes biorresíduos vai resultar matéria orgânica que pode ser utilizada na agricultura ou nos jardins”, frisando que, “neste momento, já está a ser utilizada por algumas entidades que nos têm solicitado”.

Por sua vez, Carlos Pinto de Sá admitiu que “é uma imensa alegria a celebração deste projeto que se concebeu há mais de 20 anos, em que se constituiu um sistema intermunicipal, cuja gestão estratégica é assegurada pelos municípios, mas também com a participação de uma empresa privada”, resumindo que “deu um contributo determinante para a melhoria e preservação do ambiente no distrito de Évora”.

Para o presidente da CIMAC, “isso é um ganho que é muito difícil de quantificar”, reforçando que “é um ganho qualitativo enorme”.

Acrescentou que “começámos com 20 trabalhadores e fomos evoluindo para reciclar cada vez mais, procurando valorizar os resíduos e não depositá-los em aterros”, destacando ainda que, “agora, inaugurámos uma Unidade de Valorização Orgânica, que permite tirar os biorresíduos do aterro, valorizá-los e devolvê-los ao ambiente

Na sua opinião, “20 anos depois chegamos a uma situação em que já estamos a reciclar bastante, embora ainda menos do que gostaríamos, mas muito mais do aquilo que existia”.

Na edição de hoje do jornal Diário do Sul pode ler esta notícia na íntegra.

Pode ver a reportagem vídeo no seguinte link:
https://www.youtube.com/watch?v=nuZFO6r7jLY&t=3s

Texto: Redação DS / Marina Pardal
Fotos: DS

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

“Projetos do Programa Ambiente para Adaptação Climática” foram debatidos na CCDRA, I.P.

A Secretaria-Geral do Ambiente promoveu, no passado dia 23 de maio no auditório da CCDR Al…