O mundo uniu-se num fortíssimo apelo pela utilização de embalagens sustentáveis e recicláveis.

Recentemente, em Paris, uma coligação de 55 países apelou a um tratado que incluísse restrições a determinados produtos químicos perigosos e a proibição de produtos plásticos problemáticos que são difíceis de reciclar. A aposta, entendem, deve ser em materiais alternativos mais amigos do ambiente.

A solução óbvia, natural e imediatamente disponível, está nos sacos e nas embalagens de papel e cartão.

Gonçalo Almeida Simões, Diretor Geral da Biond – Associação das Bioindústrias de Base Florestal considera que “para resolver este problema, a melhor opção, natural e imediata, está nos sacos e embalagens em papel. As soluções desenvolvidas a partir de papel fazem parte e promovem a economia circular. Fomentam florestas saudáveis, são mais recicláveis do que quaisquer outras, oferecem uma proteção única ao produto e ajudam a mitigar as alterações climáticas.”

Perante uma crescente preocupação com as questões ambientais, as embalagens em papel também já são as preferidas pelos consumidores como se conclui no estudo “Plastic Food Packaging: Perceptions and Attitudes of Portuguese Consumers about Environmental Impact and Recycling”. Este estudo que investigou os hábitos relacionados com a embalagem de alimentos, revelou que “os portugueses estão cada vez mais atentos às questões ambientais, com 89% a afirmarem que se preocupam com o impacto das embalagens plásticas”.

“Portugal tem todas as condições para estar na linha da frente, até mesmo encabeçar o pelotão deste ambicioso processo de transição, pois conta com uma bioindústria que é benchmark a nível europeu e mundial na produção de produtos de papel, que são amigos do ambiente, pois são naturais, biodegradáveis e recicláveis”, afirma o Diretor Geral da Biond.

A Biond considera que cabe agora ao governo não atrasar esta transição por via de derrogações que atrasam o calendário e que colocam Portugal em desvantagem competitiva ambiental quando comparado com outros países da UE e do mundo. Mais: sendo os sacos de papel aqueles que do ponto de vista ambiental apresentam a melhor solução não faz sentido que sejam pagos.

As vantagens ambientais dos produtos de papel e cartão começam, desde logo, na matéria-prima: a fibra proveniente de florestas geridas de forma responsável e sustentável.

O papel deve, pois, ser considerado como exemplo maior de um produto amigo do ambiente e a escolha certa contra as alterações climáticas.

A Biond representa um conjunto de Associados – Altri, DS Smith, Renova e The Navigator Company – que constituem uma Bioindústria Sustentável, Estratégica e Inovadora.

Fonte: Nota de Imprensa / Biond – Associação das Bioindústrias de Base Florestal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

“Projetos do Programa Ambiente para Adaptação Climática” foram debatidos na CCDRA, I.P.

A Secretaria-Geral do Ambiente promoveu, no passado dia 23 de maio no auditório da CCDR Al…