O esloveno Borut Peterlin vai apresentar de 17 de maio a 7 de julho na vila medieval de Monsaraz a exposição de fotografia “A New Earth/Silence”.

O artista expõe na Igreja de Santiago um conjunto de 37 fotografias impressas conforme o processo de colódio húmido, criado pelo inglês Frederick Scott Archer e usado entre 1850 e 1890, com impressões de carbono em vidro a partir de um negativo de colódio em placa húmida.

A mostra organizada pelo Município de Reguengos de Monsaraz é inaugurada no dia 17 de maio, às 15h, e pode ser visitada diariamente das 9h30 às 13h e entre as 14h e as 17h30. Borut Peterlin tem percorrido o mundo a estudar fotografia e aprendeu em Rochester, nos Estados Unidos da América, os processos fotográficos feitos à mão no século XIX. As suas fotografias abordam a existência humana e a transcendência do espírito humano, a natureza e o homem, mas também a luta interna entre o ego e a consciência.

No âmbito desta exposição, Borut Peterlin vai realizar um workshop também no dia 17 de maio, pelas 18h, na Casa do Barro – Centro Interpretativo da Olaria de São Pedro do Corval, onde vai demonstrar os vários processos fotográficos do século XIX. O fotógrafo vai explicar o processo de colódio em placas húmidas e outros processos de impressão, como a impressão a sal, a impressão em albumina e a sua impressão preferida a carbono.

A exposição de fotografia “A New Earth/Silence” tem estado patente no Museu Dolenjska, na Eslovénia, viajando agora para Monsaraz. Ao longo da sua carreira, Borut Peterlin foi editor de fotografia de vários jornais e diretor de arte num festival de documentários. O fotógrafo tem apresentado os seus trabalhos desde 1998 em exposições coletivas e individuais no Japão, Reino Unido, Áustria, Eslovénia, Bélgica, Lituânia, Eslováquia, Polónia, Luxemburgo, Turquia, Alemanha, China e Sérvia.

Fonte: Nota de Imprensa / Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Exposição em Évora: “Aprendei, mortais, a buscar as coisas do céu”

O Centro de Arte e Cultura da Fundação Eugénio de Almeida inaugura a exposição Aprendei, m…