O programa LIFE da União Europeia faz 30 anos no próximo dia 21 de maio. A Universidade de Évora irá comemorar esta efeméride com uma grande exposição alusiva aos projetos LIFE em que participa ou já participou, quer como beneficiário coordenador quer como beneficiário associado. Esta exposição decorrerá na semana de 16 a 20 de maio, nos Claustros do Colégio Espírito Santo da Universidade de Évora.

Atualmente, estão a decorrer (ou terminaram nos últimos meses) 11 projetos LIFE na Universidade de Évora. Grande parte deles dedicam-se à gestão e conservação da biodiversidade europeia: Life-Relict, Life Charcos, Life Águeda, Life Lines, Life Saramugo, Life Águeda, Life Olivares Vivos+, LIFE Scrubsnet e Life Alnus Taejo. A estes acrescem o Life Montado Adapt, que se dedica à mitigação das alterações climáticas e o Life Invasaqua, centrado na sensibilização para a conservação da natureza. Porém, ao longo da história do Programa LIFE, muitos foram os projetos em que a Universidade de Évora já participou.

O LIFE é um instrumento financeiro da União Europeia que, atualmente, cofinancia projetos em 4 subprogramas: natureza e biodiversidade; economia circular e qualidade de vida; mitigação e adaptação às alterações climáticas; e transição para a energias limpas. Desde a sua origem, em 1992, até à data, já cofinanciou mais de 5500 projetos em toda a Europa. Por exemplo, só no âmbito da conservação da natureza, este programa já investiu mais de 3 mil milhões de euros em cerca de 1800 projetos, que beneficiaram 6000 áreas classificadas dentro da Rede Natura 2000 europeia.   

Desta forma, os projetos que vão estar presentes na exposição constam o LIFE-Relict que visa preservar as relíquias da Laurissilva Continental, resquícios de plantas testemunhas das florestas que ocuparam a Península Ibérica em épocas geológicas passadas, quando o clima era subtropical. Nesta situação estão os raros azereirais nas serras de Açor e Estrela e os adelfeirais na serra de Monchique, ameaçados pelos incêndios, espécies invasoras e alterações climáticas. A Universidade de Évora é coordenadora deste projeto sendo o orçamento global de cerca de 1.7 milhões euros.

LIFE Charcos que pretende conservar os Charcos Temporários Mediterrânicos, um habitat prioritário que alberga inúmeras espécies, algumas raras e ameaçadas, na Costa Sudoeste de Portugal. Neste território foram identificadas diversas pressões e ameaças, entre elas a intensificação da atividade agrícola e, o não menos importante, desconhecimento do seu valor natural. A Universidade de Évora é coordenadora científica deste projeto sendo o valor do orçamento global de cerca de 2 milhões de euros.

Por seu lado, o LIFE LINES, surgiu com o objetivo de contribuir para a criação de uma Infraestrutura Verde que promova refúgios para plantas e animais, e o seu movimento seguro ao longo das infraestruturas lineares, assegurando os serviços dos ecossistemas e atenuando, assim, o impacte negativo das mesmas na biodiversidade. A Universidade de Évora é coordenadora deste projeto sendo o orçamento global de cerca de 5,5 milhões euros.

LIFE ÁGUEDA tem como objetivo principal eliminar ou mitigar substancialmente as pressões, como obstáculos à continuidade fluvial, que estejam a limitar o habitat disponível para os peixes migradores na bacia hidrográfica do Vouga. Com um orçamento total de cerca 3,3 milhões de euros, a Universidade de Évora é o coordenador geral e técnico-científico do projeto.

Por sua vez, O LIFE ALNUS TAEJO visa proteger, conservar, valorizar e recuperar cursos de água dominados por bosques ripícolas de amieiro (amiais) na região da bacia internacional do rio Tejo. Os amiais albergam uma elevada biodiversidade e influenciam a qualidade da água dos rios e dos seus ecossistemas. A Universidade de Évora é parceira deste projeto sendo o valor do orçamento global de cerca de 4 milhões de euros.

LIFE BIOAs visa demonstrar a viabilidade ambiental e económica de um processo de produção de um bio-adsorvente inovador a partir do bagaço de azeitona e, simultaneamente, a sua utilização para a purificação de água, de acordo com a Directiva da UE para a água potável relativamente ao arsénio. A Universidade de Évora é parceira deste projeto, sendo o orçamento global de cerca de 1.8 milhões de euros.

Relativamente ao LIFE OLIVARES VIVOS + este tem como principal objetivo a atribuição do primeiro certificado na Europa que atesta o compromisso dos agricultores produtores de azeite com a conservação da biodiversidade, contribuindo para a diferenciação do produto no mercado. Para concretizar o modelo de gestão proposto, foram estabelecidas parcerias com olivicultores de Espanha, Portugal, Grécia e Itália, os quais constituirão uma rede de áreas experimentais onde serão avaliados os efeitos de distintas medidas agroambientais e o impacto económico do selo Olivares Vivos. A Universidade de Évora é entidade parceira neste projeto, sendo o orçamento global de mais de 7 milhões de euros.

LIFE Montado-Adapt é um projeto de impulso à adaptação dos Montados em Portugal e Espanha. Tem como principal objetivo atenuar as consequências das alterações climáticas nos montados, melhorando a sua sustentabilidade do ponto de vista económico, social e ambiental. Neste sentido, foram desenvolvidas estratégias de adaptação que visam dar resposta aos impactos presentes e futuros, que resultaram na definição de 40 medidas de adaptação dos Montados às alterações climáticas. A Universidade de Évora é entidade parceira neste projeto, sendo o orçamento global de cerca de 3,5 milhões de euros.

De referir que o Life Invasaqua tem como principal objetivo promover a comunicação, a formação e a difusão de informação sobre as Espécies Exóticas Invasoras (EEI) aquáticas em Portugal e Espanha.  As EEI são consideradas a nível global a segunda principal ameaça à biodiversidade. Estas espécies são também uma ameaça à saúde pública e são responsáveis por severos impactos socioeconómicos. Este projeto coordenado pela Universidade de Múrcia, tem vários parceiros distribuídos pela Península Ibérica, sendo a Universidade de Évora um dos principais parceiros em Portugal, o orçamento global é de cerca de 3 milhões de euros.

Life Scrubsnet pretende revitalizar os habitats agrícolas extensivos semiáridos através da gestão sustentável das suas áreas de matos. As manchas de mato são fundamentais para a funcionalidade ecológica destes sistemas e, por conseguinte, devem fazer parte de um modelo sustentável de gestão das habitats. Este é um projeto internacional onde a Universidade de Évora é parceira sendo o orçamento global cerca de 2,3 milhões de euros.

Por último, o Life Saramugo visa a conservação das populações de saramugo em 3 sub-bacias do rio Guadiana (Xévora, Ardila e Vascão), com o intuito de salvaguardar a sobrevivência desta espécie, esperando-se que com este projeto se reduza drasticamente a tendência de declínio da população de saramugo que se tem verificado até agora. A Universidade de Évora é parceira do projeto que tem um orçamento global de 1.5 milhões de euros.

Fonte: Nota de Imprensa / Universidade de Évora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Universidade de Évora e Altice instalam microbiblioteca no Colégio do Espírito Santo

O Colégio do Espírito Santo da Universidade de Évora terá em funcionamento uma cabine de l…