Realizou-se este mês de Novembro, em Pequim, a reunião do Prémio Nacional de Ciência e Tecnologia 2020, um evento anual na comunidade científica chinesa. O júri distinguiu 264 projectos, 10 especialistas em ciência e tecnologia e uma organização internacional. Entre eles, o académico Gu Zhuanfen, de 91 anos de idade, mestre em design de aeronaves na Nova China, e o académico Wang Dazhong, de 86 anos de idade, um cientista de renome internacional em energia nuclear, tendo sido ambos galardoados com o mais alto prémio científico e tecnológico do Estado. Os prémios foram entregues, pessoalmente, pelo Presidente chinês Xi Jinping, a demonstrar a importância que o governo chinês atribui ao talento científico e tecnológico.

A China afirma que inovação é a força motriz número um do seu desenvolvimento. Entre as principais inovações científicas e tecnológicas dos últimos cinco anos, podem apontar-se, como exemplos, os voos espaciais tripulados, a exploração lunar, a exploração de mergulhos profundos e as comunicações quânticas. Destaque merecem também o FAST (Five hundred meter Aperture Spherical Radio Telescope), vulgarmente conhecido como “Olho do Céu”; e o sistema de navegação por satélite BeiDou (“Estrela Polar”), que foi criado para “servir o Mundo e beneficiar a Humanidade”.

Com os grandes avanços conseguidos no desenvolvimento e fabrico de equipamento de ponta, como supercomputadores e comunicações 5G, a China tornou-se uma força destacada no mapa da inovação global. O ranking do Índice Global de Inovação 2020 mostra que a China subiu rapidamente do 29º lugar, que ocupava 2015, para o 14º lugar actual.

O talento é a espinha dorsal do desenvolvimento. Actualmente, a China é o maior e mais abrangente país do mundo em matéria de recursos de talento: o número de investigadores e especialistas em ciência e tecnologia aumentou de cerca 55 milhões em 2010 para cerca de 78milhões em 2019. Há oito anos consecutivos que a China é o país do Mundo com maior número de pessoas dedicadas à Investigação e Desenvolvimento. Também a quantidade de registo de patentes internacionais em 2020 foi a maior do mundo, ascendendo a 687.020.

Em Outubro de 2021, a China apresentou como objectivo estratégico “acelerar a construção de centros de inovação mundial”, nomeadamente em Pequim, Xangai, na Grande Baía de Guangdong, Hong Kong e Macau. São plataformas para atrair e reunir talentos de alto nível em algumas cidades centrais, e apoiar laboratórios nacionais e instituições que se dedicam à inovação.

Segundo o Gabinete Nacional de Estatísticas da China, o índice de inovação em 2020 atingiu os 242,6 (utilizando, comparativamente, o valor de 100 em 2005), com um aumento de 6,4% em relação a 2019.

A ciência não conhece fronteiras. Segundo os responsáveis chineses, outra razão para o sucesso repetido na inovação científica e tecnológica é a sua adesão a uma perspectiva global e abertura ao mundo exterior. E apontam como exemplo os prémios de ciência e tecnologia agora atribuídos, sendo três dos primeiros prémios para especialistas estrangeiros, e havendo cinco dos projectos premiados que foram liderados ou tiveram a participação de peritos estrangeiros – o que representa um número recorde de prémios para projectos de cooperação científica e tecnológica internacional.

Foi também chamada a atenção para a atribuição do Prémio Nacional de Progresso em Ciência e Tecnologia da China 2020 para Equipas Inovadoras na Prevenção e Controlo de Doenças Respiratórias pela Equipa de Inovação de Zhong Nanshan. Esta equipa teve uma acção relevante na luta global contra as doenças respiratórias e salvou as vidas de muitos chineses, além de assumir um importante papel no combate à pandemia.

Conteúdo Institucional

Um comentário

  1. Rafaela Santos

    15/12/2021 às 13:26

    Bom artigo!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Veja também

Praça do Giraldo “ouviu” protestos dos professores do distrito de Évora

“Ministro escuta, professores estão em luta”, “respeito”, “os anos trabalhados, não podem …