Desde o início do ano até 30 de abril, foram constituídas 18 633 novas empresas em Portugal, o que representa uma quebra de 4,6% face ao mesmo período do ano passado.

Os dois últimos meses acentuaram esta descida, especialmente o mês de março que, em 2023, tinha registado um pico na criação de empresas.

O setor dos Transportes tem o recuo mais acentuado, com -27% (-657 constituições de empresas), correspondendo a quase três quartos do total das descidas. Em especial a atividade do Transporte ocasional de passageiros em veículos ligeiros está a descer consecutivamente desde dezembro de 2023 e no acumulado dos 4 primeiros meses de 2024 já atingiu uma queda de 34% face ao período homólogo.

Entre outros setores que também registam descidas na criação de empresas estão as Atividades imobiliárias, Alojamento e restauração e os Grossistas, com destaque para as atividades do Alojamento mobilado para turistas (-30%; -100 constituições de empresas), Atividades de mediação imobiliária (-17%; -70 constituições de empresas) e os Cafés (-22%; -46 constituições de empresas).

Nos 4 setores onde cresceu a criação de empresas, destaca-se a Construção, que mantém a tendência de crescimento, com mais 153 constituições de empresas que nos 4 primeiros meses do ano passado (+7,0%).

Mais de metade das regiões regista uma descida na constituição de empresas, mas as que têm maior densidade empresarial mostram tendências opostas. Enquanto a Área Metropolitana de Lisboa lidera as descidas com um recuo de 12% (-906 constituições), fruto da queda do setor dos Transportes, a região Norte viu aumentar as constituições em 2,4% (+140 constituições de empresas).

As regiões autónomas dos Açores e da Madeira estão também entre as que crescem neste indicador, com +20% (+45 constituições) e +4,8% (+25 constituições), respetivamente.

Processos de insolvência aumentam 14% com forte contributo da Indústria do Têxtil e Moda

722 empresas iniciaram um processo de insolvência até final de abril, o que corresponde a um crescimento de 14% (+86 processos de insolvência) face ao período homólogo, mantendo-se a tendência que se verificou no último ano.

Esta subida é maioritariamente suportada pelo setor das Indústrias (+90%; +105 processos de insolvência), já que na maioria dos setores de atividade o número de empresas que iniciaram um processo de insolvência desceu. O aumento do número de processos de insolvência neste setor foi muito concentrado nas empresas de Têxtil e Moda (+176%; +88 processos de insolvência), nomeadamente nas atividades de Fabricação de calçado (+513%; +41 processos de insolvência) e Confeção de outro vestuário exterior em série (+145%; +32 processos de insolvência).

Metade dos setores viu aumentar os encerramentos no acumulado dos últimos 12 meses

Até 30 de abril, encerraram 3 997 empresas, -7,7% do que no período homólogo, sendo que à data hoje ainda existem publicações a serem efetuadas pelo Registo Comercial.

No acumulado dos últimos 12 meses, encerraram 15 030 empresas, valor 2,2% acima dos 12 meses anteriores (+322 encerramentos). Para esta subida contribuíram em especial os setores dos Serviços empresariais (+13%; +266 encerramentos), Transportes (+16%; +109 encerramentos) e Alojamento e restauração (+6,4%; + 105 encerramentos), destacando-se a atividade do Transporte ocasional de passageiros em veículos ligeiros (+35%; +114 encerramentos) e os Serviços de apoio às empresas (+13%; +217 encerramentos).

Fonte: Nota de Imprensa / Informa D&B

Secção de comentários fechada.

Veja também

Insolvências continuam a crescer com aumento de 25% face a 2023

As insolvências em maio aumentaram 6,5% face ao mês homólogo do ano passado, atingindo 391…