Foi entre sushi, peixe frito ou assado, caldeta, filetes, açorda ou tacos que foi apresentado mais um Festival do Peixe do Rio, que decorre no concelho do Alandroal, desde a passada sexta-feira e até 3 de março.

Estes e outros pratos, confecionados por vários restaurantes, mas todos com peixe do rio, puderam ser degustados durante a divulgação do evento, realizada no dia 19 de fevereiro, na Área Recreativa das Azenhas D’el Rei.

A iniciativa ficou marcada pela apresentação do programa, feita pelo presidente do Município do Alandroal, João Grilo, mas também pela oportunidade de presenciar o trabalho desenvolvido pelos pescadores locais.

Ao longo dos dez dias do festival, Alandroal volta a ser a “Capital das Cozinhas do Rio” e são muitas as iguarias que estão em destaque nas mesas dos restaurantes aderentes por todo o concelho.

A par disso, há outras atividades que complementam a oferta, como o Roteiro do Petisco, a Maratona Fotográfica ou a Caldeta para Todos.

A organização destacou também outros momentos da programação, nomeadamente que “a Praça da República, no Alandroal, acolhe, nos dois fins de semana do evento, uma feira de produtos locais, workshops ou jogos tradicionais”.

De realçar ainda as atividades desportivas, as iniciativas musicais e culturais ou a sessão de showcooking com o chef José Júlio Vintém e convidados.

Segundo a mesma fonte, “o festival nasceu em 2010 enquanto Mostra Gastronómica do Peixe do Rio, sendo já marca identitária do concelho que tem como objetivo dar a conhecer a autenticidade e qualidade dos produtos da região”. Visa ainda “dinamizar a economia local em áreas cruciais como a restauração, hotelaria e comércio”.

Durante a divulgação do programa, realizada no Restaurante Raya, o presidente da Câmara do Alandroal começou por referir que “este festival assenta numa tradição do concelho”.

Acrescento que “temos este Alqueva, antes Rio Guadiana, que sempre serviu para que as populações encontrassem ali respostas do ponto de vista da subsistência e da economia”, reiterando que “tal fez com que nós sentíssemos desde o princípio que esta tradição da gastronomia do peixe do rio era diferenciadora e tinha um potencial para nos promover de forma diferente”.

João Grilo adiantou que “este é um festival que está distribuído por todo o concelho e tem todos os níveis de oferta, desde uma cozinha mais inovadora e diferenciada até às tradições mais enraizadas”.

Evidenciou ainda “o envolvimento dos restaurantes, mas também dos alojamentos e das empresas de animação turística, pois mais do que convidarmos as pessoas a virem comer um prato de peixe, queremos convidá-las a virem conhecer o concelho dois ou três dias, por exemplo”.

O autarca fez também questão de vincar que “temos o objetivo de, em paralelo com o festival, ir criando uma dinâmica da gastronomia do rio constante ao longo do ano”, sublinhando que “estamos a planear um centro de acolhimento que será a Academia das Cozinhas do Rio”.

Já em declarações aos jornalistas, João Grilo frisou que “esta edição procura levar as pessoas a conhecer mais todo o concelho e as ofertas que às vezes fogem do habitual”.

Explicou que “nós temos a experiência de que muitas vezes as pessoas decidem vir ao festival, mas não programam muito bem a vinda”, constatando que “chegam à sede de concelho, onde a oferta é maior, e ficam com alguma dificuldade em escolher onde comer e o que comer”.

Nesse sentido, o presidente do Município do Alandroal revelou que “instalámos um centro de acolhimento na Praça da República e quem não souber muito bem do que é que vem à procura ou quem quiser ligar ou reservar antes pode contactar-nos e nós vamos a ajudar as pessoas a encontrarem aquilo que procuram”, lembrando que “há quem procure o mais tradicional, outros a inovação e outros uma experiência que vá para além da parte gastronómica e que inclua outras atividades”.

Para o autarca, “este festival tem servido para mostrarmos o concelho e é uma forma diferente de promovê-lo”, afirmando que “tornou-se o nosso principal evento anual e isso dá-nos uma responsabilidade acrescida em relação àquilo que promovemos nesta altura”.

Anunciou ainda que “temos 15 restaurantes aderentes e há também um conjunto de cafés e tascas que não estão nessa lista, mas que estão ao dispor e participam no Roteiro do Petisco, por exemplo”, recordando que “os espaços de restauração estão distribuídos por todo o concelho”.

De acordo com João Grilo, “o nosso objetivo é também voltar ao modelo pré-pandemia, talvez no próximo ano, em que além dos restaurantes, também temos um espaço central na sede de concelho onde quem não quiser andar à procura tenha de imediato uma resposta”.

A apresentação do festival contou com a presença do chef José Júlio Vintém, que tem estado associado ao evento ao longo das edições. “Esta parceria com o Alandroal teve início há cerca de sete anos e temos visto um desenvolvimento muito engraçado por parte dos menus dos restaurantes, com coisas novas e diferenciadas”, salientou.

O mesmo chef disse que “este ano a aposta é mais uma vez em algo diferente, que já se faz, neste caso, nas conservas, na maturação dos peixes, na preservação do peixe do rio, que se fazia antigamente, com secagens em ambientes controlados”.

Pode ver a reportagem vídeo no seguinte link:
https://www.youtube.com/watch?v=B4VPJBvVfhA&t=15s

Texto: Redação DS / Marina Pardal
Fotos: DS

Secção de comentários fechada.

Veja também

Lagostins de água doce são petisco na mesa de alentejanos e estremenhos

De praga exótica e invasora a iguaria local e ibérica O lagostim cozido é produto integran…