Saudação de Ano Novo pelo arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho

Caros Presbíteros Eborenses, Estimados Diáconos, Religiosos e Esperançosos Seminaristas; Caríssimas Famílias, Amados Jovens e Queridas Crianças, votos de fecundo e abençoado ANO NOVO 2024!

Durante muitos decénios, foi tradição da nossa Amada Arquidiocese encher-se o Salão Nobre do então Paço Arquiepiscopal de clero, religiosos e fiéis, assim se dizia, afim de apresentarem ao Venerando Prelado os seus votos de “Ano Bom”. Era um momento muito marcado pela comunhão e gratidão no contexto daqueles tempos, na tarde do Dia de Ano Bom! Todos procurávamos estar e muitos vinham de longe. Era também oportunidade de nos reverermos.

Hoje, sou eu que vou ao encontro de todos para lhes levar o abraço fraterno de gratidão e esperança. E sempre, renovados votos de Bom Ano Novo!

1 – Muito obrigado, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Bom e Belo Pastor, pela fidelidade de todos e heroicamente sacrificada de muitos, aos Apelos do Espírito Santo que sopra e se manifesta em nossa Igreja pelo discernimento sinodal, e nos pede que iluminados pela Palavra de Deus e nutridos pelo Pão da Eucaristia, revelemos aos nossos coetâneos o autêntico Rosto de Cristo Vivo em nossas Comunidades Cristãs, a começar pelas Paróquias, Movimentos Eclesiais, Associações e Grupos Cristãos e chegando até à Casa Arquiepiscopal, Serviços Arquidiocesanos, Comunidades Sacerdotais, Comunidades Religiosas e Seminários. Que transfiguremos os nossos ministérios e serviços, as nossas famílias e a nossa cidadania de modo a que pela nossa maneira de servir e de estar coerentemente, se descubra em nós o reflexo da Luz de Cristo, a qual em si mesma, deseja comunicar-se de modo experimental e partilhado a todos, para que em ninguém impere a escuridão mas brilhe a Luz de Cristo, pois todos aspiramos a ser filhos da Luz e não das trevas.

Que a nossa Arquidiocese seja à maneira de Maria, que hoje celebramos, uma Mãe de coração aberto! Aberto no pronto acolhimento, na escuta atenta, no acompanhamento comprometido de cada pessoa com sua história singular, na inserção atenta à partilha de talentos ao serviço da Humanização.

2 – Sim, hoje levo-vos também o abraço da Esperança, pois os jovens ensinaram-nos recentemente que quando escutamos e procuramos discernir os apelos dos Sinais dos Tempos, o Espírito Santo faz-se bússola, âncora e fortaleza, e se colaborarmos com Ele, podemos chegar aonde nunca ousamos imaginar. É deveras importante continuarmos em unidade pós JMJ e juntos, ou seja, sinodalmente, rezarmos e procurarmos discernir com a ajuda do Paraclito, os Sinais dos Tempos, no nosso agora e aqui, para que todos unidos e animados pela criatividade, audácia e generosidade dos jovens, rumemos até ao Ano Santo e Jubilar 2025, para isso nos apontam os Congressos Eucarísticos Nacional de Braga e Internacional de Quito, no Equador.

Acredito que os jovens podem fazer connosco a diferença, ajudando os nossos sonhos a tornarem-se realidade, mais forte e bela do que seria possível fazer com a soma das energias, talentos e capacidades de cada um de nós, pois o Espírito Santo até das nossas limitações soma beleza. Que esta Esperança se experimente e concretize na Visita Pastoral Missionária que se Deus quiser, farei/faremos aos Concelhos de Sousel e Borba. Rezemos por isso.

3 – Em Dia de Ano Novo, a Igreja celebra a Solenidade de Maria, Mãe de Deus. Procuremos perceber melhor a mensagem desta solenidade.

De facto, de 22 de Junho a 31 de Julho do ano 431, realizou-se o Primeiro Concílio de Éfeso, na Igreja de S. Maria, na cidade de Éfeso, na Anatólia da Ásia Menor. Hoje Selçuk, na Turquia. Trata-se do terceiro Concílio Ecuménico, reconhecido por Católico, Ortodoxos, “Vellhos” Católicos, Anglicanos, Luteranos e outros grupos Cristãos.

Sendo Papa Celestino I e Imperador Teodósio II, o Patriarca de Constantinopla, Nestório, negou que Maria fosse Theotokos, Mãe de Deus, mas somente seria Christotokos, ou seja, Mãe de Cristo. O Patriarca ao admitir que Maria fosse apenas a Mãe da natureza humana de Cristo e ao negar que Maria pudesse ser Mãe do Verbo Encarnado, na unidade do Seu Ser, caiu numa grave heresia, condenada pelos cerca de 250 Bispos reunidos neste Concílio. Os Bispos, sob a presidência de S. Cirilo de Jerusalém, que o Papa Celestino reconheceu na integridade da doutrina e nomeou seu delegado no Concílio, confirmaram os ensinamentos originais do I Concílio de Niceia (325), condenaram os erros cristológicos e mariológicos de Nestório e proclamaram Maria, Mãe de Deus, Theotokos. Eis a alegria da unidade da nossa fé, de novo conseguida neste Concílio, que até hoje com sabor ecuménico continuamos a celebrar. Assim, percebemos como é importante e é maravilhosa a unidade da mesma Fé, e por consequência da Igreja, Esposa de Cristo. Maria é sempre Sinal de Unidade e nunca de divisão, por que é Mãe!

Sabemos que este terceiro Concílio Ecuménico consolidou a paz na Igreja do primeiro milénio, ainda que uma paz somente interior, pois se o Concílio foi celebrado em 431, no ano anterior, 430, já a sede episcopal de S. Agostinho, Hipona, tinha sido devassada pelos Godos que atravessando Roma e vandalizado terras da Gália e da Hespania dominaram Cartago e todo o Norte de África. Como profetizava Santo Agostinho ao terminar a sua vida, precisamente em 430, era um mundo velho que morria, para nascer um mundo novo que já se avizinhava e parecia despontar.

Eis, o olhar do Papa Francisco na sua Mensagem de Ano Novo para estes tempos novos, marcados pelas novas tecnologias chegadas à inteligência artificial. Uma leitura aprofundada, reflectida e partilhada em grupos, mais do que recomendada, considero “obrigatória” para todos os Cristãos atentos aos Novos Tempos, que são já os de hoje. Encontraremos certamente subsídios, inclusivamente nesta página da Arquidiocese e exortando,como vosso Bispo, que as Paróquias, Movimentos Eclesiais e Grupos de Vida se organizem em círculos de leitura partilhada desta Mensagem tão oportuna como atual.

Unidos ao Santo Padre, construamos pontes de diálogo, tolerância, respeito, justiça, inclusão e rezemos juntos pela Paz! E será certamente Bom Ano!

Artigo de Opinião do arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho (Arquidiocese de Évora)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

O Património de Vila Viçosa foi atingido com gravidade

O país e os calipolenses viram-se, novamente, confrontados com a notícia de um grave acide…