5ª edição do Artes à Rua tem início no próximo dia 5 de setembro, em Évora, e apresenta uma programação variada durante seis dias, até dia 10.

Em Évora, em setembro, as Praças e as Ruas são lugares de afetos e fruição de músicas de muitos lugares do Mundo, que resultam de muitas tendências estéticas, que dialogam com as tradições, resgatando-as do fundo do tempo, numa dinâmica permanente de construção da identidade dos povos. As mesmas ruas e praças são lugares de encontros mediados pela música, a dança, o teatro, a performance, o novo circo, e até uma série de podcasts ao vivo.

As propostas do Artes à Rua desdobram-se em 38 momentos únicos com dois temas centrais como fio condutor: “A descolonização do pensamento” “A igualdade de género”.

A programação musical do Artes à Rua conta com nomes como Celina da Piedade, Duarte, Mallu Magalhães, Nancy Vieira, Oumou Sangaree, Pedro Mafama, entre muitos outros. 

Celina da Piedade

Além disso, esta edição vai receber 280 artistas e convidados, oriundos de 11 regiões do mundo: Afeganistão, Angola, Argentina, Brasil, Cabo Verde, Espanha – Galiza e País Basco, Guiné-Bissau, Mali, Moçambique e Portugal, para 26 espetáculos de várias áreas culturais que vão desde a música, ao teatro, dança, performance e novo circo.

Realizar-se-ão 4 oficinas, que incluem 2 passeios pelo património, 2 conversas, 3 podcasts ao vivo, 1 apresentação de um livro e 1 ação de formação destinada a artistas e profissionais que tenham interesse em adquirir mais conhecimento na área da gestão de carreira e agenciamento para auxílio à internacionalização dos seus projetos, organizada pela WHY Portugal.

Duarte

Um programa diversificado que traduz a imagem de Évora, cidade solidária, de cultura, de respeito pelo direito à diferença, cidade livre que se debruça sobre a planície espreitando a paisagem histórica e cultural que a envolve, desafiando-nos o pensamento crítico”, refere Luís Garcia, diretor artístico do Artes à Rua.
No dia 5 de setembro, a abertura da 5ª edição do Artes à Rua é dirigida às Famílias e acontece às 10h30, no Jardim Público. Sendo esta uma das 7 atividades dirigidas a este público. Aos Gigabombos do Imaginário e Seven Dixie seguem-se Catarina Moura, Celina da Piedade, Sara Vidal e Ricardo Silva com Assim Devera Eu Ser, um espetáculo que apresenta as canções de Amália como proverbiais histórias que ensinam tanto quanto encantam. A um Podcast ao vivo sobre TEMPO: Património Cultural, Natural, Humano e Material de Évora, segue-se concerto de Manuel Guerra no Pátio do INATEL e mais tarde no Jardim Público com Oumou SangaréCelina da Piedade que tem como convidada Uxia; e a noite encerra ao som dos Yakuza.

Mallu Magalhães

O segundo dia, 6 de setembro, amanhece com uma nova atividade para os mais novos, uma Oficina de Arte Rupestre com o arqueólogo Mário Carvalho, no Alto de São Bento. Às 18h30, no Palácio D. Manuel, uma conversa sobre Os Direitos LGBTQIA+ e o acesso às Artes com Ana Paula Amendoeira, Mara, Patrícia Correia Rico, Puta da Silva e moderação de Rolando Galhardas. E chega o momento do teatro com Manifesto Funesto: uma ópera electrónica de Vanda R Rodrigues, libreto de Lígia Soares e música de Mestre André/ANTIPODA a. c.. A noite chega com concertos de Puta da Silva que apresenta o espetáculo Pontos de Rua, Pedro Mafama e encerra com Balcan Selecta, por Pablo Vidal + Brass Artist.

Dia 7 de setembro, inicia com UM DOIS TRIO, um Baile para a Infância, da PédeXumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança (PX). Pelas 14h30, no Palácio D. Manuel, Eduardo Luciano apresenta o livro Berpiztu, de Kepa Junkera, contando com a presença do antropólogo Paulo Lima. O final da tarde no Pátio do INATEL ainda terá lugar para música com VERDE MI SANGRE, ROJO TUS HOJAS, de La Barca. Do Brasil chega Mallu Magalhães. Segue-se Duarte que sobe ao palco com, No Lugar Dela(s), contando com convidadas muito especiais, numa homenagem às mulheres que, de alguma forma, passaram pela sua vida. O dia termina ao som de MEMA.

Oumou Sangaree

Com o 4º dia do Artes à Rua, dia 8 de setembro, chega o novo circo. João Paulo Santos com a Companhia O Último Momento apresenta Une Partie de soi. Segue-se uma oficina musical “Músicas do mundo, Música da nossa infância” com Adenilda Munguambe. Às 17h, nas Arcadas do Palácio D. Manuel o Podcast ao vivo “Onde cabe a música no projecto da Lusofonia?” com Karyna Gomes (Guiné Bissau), Nancy Vieira (Cabo Verde) e Roberto Chitsondzo (Moçambique) e o final da tarde será no Pátio do INATEL com um concerto de Diogo Picão. O dia termina no Jardim Público com Além Cabul – Duas Violas, um projeto que cruza o Afeganistão com Portugal, de RAIA e Ana Santos, com Fazel Sapand, Mili Vizcaíno, Samuel Santos, Tiago Rêgo e Vozes do Imaginário. Segue-se a voz de Nancy Vieira que tem como convidados especiais Acácia Maior e o dia encerra com um DJ set, Agnes e Rui Miguel Abreu.

Pedro Mafama

E já em contagem decrescente, chega o penúltimo dia, 9 de setembro. Regressam as atividades para os mais novos com uma Oficina de Placas de Xisto, por Ebora Megalithica no Centro Interpretativo do Cromeleque dos Almendres, em Guadalupe. Terá ainda lugar uma conversa sobre Persistências Coloniais na História e no Imaginário SocialFibrja encantará, às 18h30 no Pátio do INATEL. E este dia traz os sons de África, com o espetáculo Batida apresenta Neon Colonialismo, de Angola, seguido de Super Mama Djombo com Karyna Gomes da Guiné-Bissau. A noite leva-nos a uma viagem até ao Lago da Malagueira, onde será apresentado o concerto e documentário do projecto A Barragem.

Nancy Vieira

 No último dia, 10 de setembro, o regresso de “Músicas do mundo, Música da nossa infância” com Adenilda Munguambe. Ao início da tarde, o Podcast ao vivo Évora 2027 e o papel dos festivais na transformação da vida. Segue-se Jonas com São Jorge Batido, às 18h30, no Teatro Garcia de Resende. A 5ª edição do Artes à Rua encerra com os Monda seguindo-se Ghorwane 40 anos, com Gigabombos do Imaginário, Tozé Bexiga e Adenilda Munguambe.

A 5ª edição Artes à Rua realiza-se em Évora de 5 a 10 de setembro. Todas as atividades são de acesso gratuito.

O Festival é uma iniciativa da Câmara Municipal de Évora, Cidade Capital Europeia da Cultura em 2027.

Fonte: Nota de Imprensa / Câmara Municipal de Évora

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Festival EA Live Évora 2024: Está Aberto Concurso para Artistas Emergentes

Está aberto o processo de candidaturas para artistas emergentes participarem na edição de …