O distrito de Évora vai passar a ter disponíveis mais 64 lugares de creche, em virtude da assinatura das primeiras sete adendas aos acordos de cooperação já existentes.

A celebração destes protocolos aconteceu na passada quarta-feira, tendo sido realizada entre o Instituto da Segurança Social (ISS) e sete instituições. São elas o Centro de Bem Estar Social de Estremoz, Associação Mãe Galinha (Évora), Obra de São José Operário (Évora), Obra de Promoção Social Sagrada Família – Casa do Sagrado Coração de Jesus (Évora), Fundação Alentejo (Évora), Associação Solidariedade Social Renascer de Bombel (Vendas Novas) e Associação de Solidariedade Social 25 Abril de Vendas Novas.

Segundo o Centro Distrital da Segurança Social (CDSS) de Évora, através destas adendas, “nas salas entre a aquisição da marcha e os 24 meses foram criadas mais 29 vagas, que incluem uma nova sala para 16 utentes”.

Adiantou ainda que “nas salas dos 24 aos 36 meses foram criados mais 35 lugares, onde está incluída uma nova sala para 15 utentes”.

A mesma fonte recordou que “a rede de equipamentos creche do distrito de Évora é constituída por 49 creches, sendo 45 desenvolvidas ao abrigo de acordos de cooperação e quatro por via da autorização de funcionamento (estabelecimentos de apoio social – EAS – licenciados)”.

Deu ainda conta de que “a capacidade da rede de equipamentos creche do distrito de Évora, a 22 de agosto, era de 2 160 lugares (1 983 em IPSS e 177 em EAS)”.

Em declarações aos jornalistas, José Domingos Ramalho, diretor do CDSS de Évora, especificou que “estivemos a assinar adendas aos acordos de cooperação existentes que aumentam a capacidade destas sete instituições”, reforçando que “este aumento possibilita 64 novos lugares de creche no distrito de Évora”.

Realçou também que, “neste momento, temos cerca de duas dezenas de candidaturas e acreditamos que, em breve, teremos mais de uma centena de novos lugares de creche no distrito, a juntar aos 2 160 lugares que já tínhamos”.

Na sua perspetiva, “isto é qualquer coisa de extraordinário porque vai possibilitar não só que crianças que estavam em lista de espera possam entrar na creche e, acima de tudo, que espaços que antes tinham sido utilizados e dedicados à infância possam ter sido reconvertidos para a creche”, sublinhando que “alguns espaços de creche foram alargados e outros foram reconvertidos”.

José Domingos Ramalho afirmou que “esse é um desígnio que queremos para o distrito, no fundo, que nenhuma criança deixe de incorporar uma creche se essa for a vontade da sua família”.

A par disso, frisou que “pretendemos também trazer mais segurança, possibilitar melhores condições às creches e, finalmente, crianças mais felizes”.

Para o diretor do CDSS de Évora, tudo isto vai possibilitar “um combate à desertificação, que é também um desígnio para o aumento das famílias”, constatando que “muitas famílias podem pensar em ter mais filhos ou em ter filhos”.

Comentou ainda que, “por outro lado, sabemos que muitas vezes são as mães que tratam das crianças, pelo que é também uma libertação da mulher para o mercado de trabalho e para a vida social”, reconhecendo que “isso também é algo que nos gratifica como instituição”.

Texto: Redação DS / Marina Pardal
Fotos: DS

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Seminário Regional Alentejo PAR 4 em Montemor-o-Novo

Decorreu na sexta-feira, 1 de março, no Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Faria, e…