O primeiro Encontro Nacional de Presidentes, Vice-presidentes e Membros dos Conselhos Gerais das Universidades Portuguesas está agendado para 12 de maio e vai decorrer na Universidade de Évora (UÉ).

Debater o futuro do ensino superior em Portugal é um dos objetivos desta iniciativa, que tem o Alto Patrocínio do Presidente da República, contando com a presença dos principais atores e especialistas em educação e ensino superior do país.

Foi já anunciada a presença de Elvira Fortunato, ministra da Ciência e do Ensino Superior; Pedro Teixeira, secretário de Estado do Ensino Superior; Maria da Graça Carvalho, ex-ministra do Ensino Superior, atual eurodeputada e membro do Conselho Geral da UÉ; Hermínia Vilar, reitora da UÉ; Eduardo Marçal Grilo, ministro da Educação no XII Governo; Joaquim Mourato, diretor-geral do Ensino Superior; entre outros nomes.

Relativamente a este encontro, realçar que vai ter uma parte que é de acesso público, com a realização de conferências; outra que é uma reunião fechada, dirigida aos membros dos conselhos gerais.

O programa foi divulgado à comunicação social numa conferência de imprensa em que participaram vários elementos da comissão organizadora do evento.

João Carrega, presidente do Conselho Geral da UÉ, deu início à sessão, intervindo também José Aranda da Silva, vice-presidente do Conselho Geral da UÉ; os professores Jaime Serra e Maria da Graça Carvalho (que participou nesta conferência a partir de Bruxelas); a engenheira Graça Machado e Dulce Lagartixo, do secretariado.

Segundo João Carrega, “a realização deste encontro é da máxima importância, pois estamos num período em que está a ser auscultada a sociedade e as academias acerca de uma possível revisão do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, que provavelmente ocorrerá no próximo ano”.

Na sua perspetiva, “esta reflexão que iremos fazer a partir de Évora será da máxima importância”, constatando que “houve a preocupação de trazer investigadores que têm ou já tiveram responsabilidades neste setor para connosco debaterem o futuro do ensino superior em Portugal”.

A esse respeito, o presidente do Conselho Geral da UÉ considerou que este setor “continua a ser um dos principais fatores de coesão territorial e social do nosso país”, alertando que “importa discutir as oportunidades e as mudanças que podem vir a ser adotadas para o futuro”.

A par disso, enumerou outras questões que vão estar “em cima da mesa”, nomeadamente “como poderemos garantir mais equidade e acesso ou que papel devem ter os conselhos gerais nas instituições de ensino superior”.

O mesmo responsável destacou que, “com a realização deste encontro, a UÉ assume-se como um espaço de reflexão e, esperamos, de decisões”, afirmando que “pretendemos lançar os primeiros passos para a criação de um Fórum de Conselhos Gerais das Universidades Públicas Portuguesas”.

A esse respeito, explicou que se pretende que esse fórum seja “uma associação que possa ser representativa dos conselhos gerais e que possa vir a desenvolver diferentes atividades, como por exemplo o Encontro de Presidentes, Vice-presidentes e Membros de Conselhos Gerais”.

Além disso, João Carrega adiantou que no final do encontro de dia 12, “iremos apresentar a Declaração de Évora que visa refletir as principais abordagens do evento”.

Focou também que “a concretização deste encontro enquadra-se naquilo que estabelecemos no início deste mandato do Conselho Geral da UÉ, no sentido de abrir o órgão à comunidade e de concretizar iniciativas em que todos possam participar, refletindo o futuro do ensino superior”.

Autor: Redação DS / Marina Pardal
Foto: DS

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Intervenção terapêutica no luto, em Moura

A Câmara Municipal de Moura vai dar início ao 3.º grupo de apoio do projeto “Intervenção T…