Três em cada quatro equipamentos eléctricos usados, colocados pelos cidadãos na via pública, para recolha posterior por parte dos serviços municipais, são desviados para o mercado paralelo e não chegam às unidades de tratamento onde seriam correctamente descontaminados e reciclados.  

Esta é uma das grandes conclusões do Weee-Follow, um projecto promovido pelo Electrão, entre 2020 e 2021, para identificar os desvios de equipamentos eléctricos e possíveis rotas de mercado paralelo.

O percurso de 73 equipamentos, distribuídos em 12 dos concelhos mais populosos da área de Lisboa e Porto, foi monitorizado em tempo real através de GPS instalados pelo Electrão em cada um dos aparelhos.   

O Electrão optou por seguir o rasto das tipologias que são mais procuradas pelo mercado paralelo, dado o valor dos seus componentes, como é o caso de frigoríficos, torres de computadores, máquinas de lavar e fogões.   

A monitorização revelou que a esmagadora maioria dos aparelhos colocados na via pública, para recolha por parte dos serviços municipais, é canalizada para o circuito informal, o que significa que os equipamentos são transformados em muitos casos em sucata metálica sem que seja acautelada a sua descontaminação.   

Só 25 por cento destes equipamentos teve como destino final um Operador de Tratamento de Resíduos, licenciado para descontaminar os aparelhos e recuperar os materiais reciclados. Setenta e cinco por cento integrou o mercado paralelo.  

A monitorização via GPS permitiu perceber que muitos equipamentos foram encaminhados para operadores que não estão capacitados para o tratamento de equipamentos eléctricos e para portos marítimos, o que significa que alguns aparelhos acabam por ser exportados.  

Mesmo quando são entregues pelos cidadãos em ecocentros e em outros locais fixos das câmaras municipais, de acesso público, uma parte significativa (37 por cento) destes equipamentos eléctricos usados é desviada.   

Os gases de refrigeração associados aos equipamentos desviados nos canais municipais representaram, em 2020, cerca de 36 toneladas. Este valor é o equivalente à circulação de 13.500 automóveis durante um ano em Portugal. Em alternativa seriam necessários 550 hectares de pinheiros para absorver o CO2 equivalente destes equipamentos durante um ano.   

A recolha nos canais municipais representa apenas 0,7 quilos por habitante ano, o que fica muito abaixo dos 4,4 registados em alguns países da União Europeia, como Espanha e França. Para que Portugal pudesse cumprir a meta nacional teriam que ser recolhidos nos canais municipais 11,5 quilos por habitante ano.    

, sublinha que “O resultado deste projecto demonstra que urge privilegiar soluções para a recolha de equipamentos eléctricos usados porta-a-porta, como o Electrão já está a fazer, no âmbito do um projecto piloto, em Lisboa, em complemento com a recolha municipal na via pública”, sublinha o Director-Geral do Electrão, Pedro Nazareth.

O Director-Geral do Electrão acredita que o projecto Weee-Follow pode ser uma boa ferramenta para ajudar a pôr fim a más práticas, como a de transformar estes equipamentos em sucata metálica sem acautelar a sua descontaminação. “Este projecto pode ajudar a aumentar o número e a qualidade dos equipamentos eléctricos usados já que permite às autoridades ambientais a possibilidade de realizar acções coordenadas com vista penalizar as origens e os receptadores”, remata.

Weee-follow inspira projecto à escala nacional

Os resultados alcançados no âmbito do projecto Weee-Follow inspiraram um projecto que será dinamizado à escala nacional e alargado às restantes entidades gestoras de equipamentos eléctricos.

A lógica do Weee-follow vai ser seguida na Campanha Nacional de Fiscalização de Resíduos de Equipamentos de Eléctricos e Electrónicos (REEE), que foi apresentada publicamente esta quarta-feira , e que se enquadra no Plano de Acção dos REEE, que decorrerá em articulação com a Agência Portuguesa do Ambiente, Direcção-Geral das Actividades Económicas e entidades públicas competentes em matéria de inspecção e fiscalização no contexto de gestão de REEE.

14 de Outubro: Dia Internacional dos Resíduos Eléctricos

Pela quarta vez consecutiva o WEEE Forum, a associação internacional que representa diversas entidades gestoras de resíduos eléctricos, volta a assinalar o dia de hoje, 14 de Outubro, como o Dia Internacional dos Resíduos Eléctricos. Esta iniciativa conta com a participação de mais de 100 entidades, distribuídas por 70 países.

O Electrão associa-se mais uma vez à comemoração deste dia, desta vez com uma instalação de 216 equipamentos eléctricos usados no jardim na Quinta dos Ingleses, em frente à Praia de Carcavelos (vídeo: https://we.tl/t-ck3K3wzsnN). A instalação que terá a forma da sigla SOS, pretende alertar para a questão da separação de equipamentos eléctricos e do seu correcto encaminhamento para reciclagem.

São produzidas anualmente em todo o mundo cerca de 54 milhões de toneladas destes resíduos. Na Europa apenas 17 por cento dos equipamentos são correctamente reciclados. O SOS surge por isso numa alegoria à urgência em tomar medidas que permitam recolher e reciclar cada vez mais equipamentos eléctricos.

Várias dezenas de empresas aderentes aceitaram também o repto do Electrão para a divulgação de algumas mensagens-chave nas redes sociais. Em média cada casa tem um total de 72 equipamentos eléctricos, 11 dos quais não estão a ser usados ou estão avariados. Casa pessoa é responsável, em média, pela produção de 7,5 quilos de equipamentos eléctricos usados. Na Europa, mais de 1,4 quilos de equipamentos eléctricos usados são colocados no contentor indiferenciado.

Sobre o Electrão:

O Eletrão – Associação de Gestão de Resíduos é a entidade responsável por três dos principais sistemas de recolha e reciclagem de resíduos: embalagens, pilhas e equipamentos eléctricos usados. Gere uma rede de recolha de equipamentos eléctricos e pilhas usadas com mais de 6000 locais de recolha dispersos por todo o território nacional e é também responsável pela reciclagem de embalagens em todo o país. A sua principal missão é assegurar a reciclagem dos resíduos recolhidos, contribuindo para a minimização do impacto ambiental e para um reaproveitamento dos materiais que os constituem promovendo a economia circular.  Desenvolve diversas campanhas de comunicação e sensibilização com o objectivo de promover uma maior consciencialização ambiental e uma mudança de comportamentos, de que se destacam o Quartel Electrão, a Escola Electrão e o TransforMAR.

Fonte: Nota de Imprensa / Electrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Universidade de Évora e CapWatt juntas para melhorar Sistemas Híbridos de Baterias

A Universidade de Évora (Cátedra Energias Renováveis) e a empresa CapWatt estão a desenvol…