As queixas têm sido sucessivas, seja através das redes sociais, seja através de vários meios de comunicação social. Os moradores de Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira, alertavam na passada semana que várias centenas de jovens têm escolhido esta localidade alentejana para uns dias de férias, mas ao invés de desfrutarem desse tempo de lazer, acabam por praticar diversos atos de vandalismo.

Já há vários anos que Vila Nova de Milfontes é destino de férias para muitos jovens, em especial no mês de julho. No entanto, segundo relatam os habitantes a diferentes órgãos de comunicação social, este ano têm havido excessos graves no comportamento dos mais novos. Falam de lixo nas ruas e nas praias, ruído extremo, desacatos, casas e carros vandalizados, entre outros atos de perturbação da ordem pública.

Em declarações ao jornal Sol, Paulo Martins, fundador do grupo “STOP Vandalismo em Milfontes”, no Facebook, referiu que “esta situação arrasta-se há pelo menos dez anos, mas está a tomar proporções nunca vistas”, contando que “recebi relatos de agressões a um dono de um alojamento local, pois estava a tentar dialogar com eles porque lhe partiram uma porta e acabou por ser insultado, empurrado e jogado ao chão”.

Segundo o mesmo jornal, Paulo Martins disse ainda que “estas ações aliadas a outras como a vandalização dos passadiços, os graffiti nas casas e a destruição de mobiliário urbano geram um ódio cego na população local e isto é muito mau”, havendo quem relate a existência de “vigilantes locais”.

Já de acordo com a TVI24, a GNR adiantou que “os jovens têm entre os 12 e os 16 anos de idade e são quase todos da linha de Cascais, Oeiras e Lisboa”.

Este meio de comunicação social, mediante os testemunhos da população, frisou ainda que “isto acontece há vários anos, mas este ano ultrapassou todos os limites”.

Na passada semana, uma das habitantes lamentava-se de “não haver um reforço das forças da segurança, como aconteceu noutros anos”. Entretanto, a GNR assegurou à TVI24 que “na noite de 22 para 23 de julho já houve um reforço do policiamento”.

Numa outra reportagem da TVI24, é evidenciado que a situação está controlada desde que houve esse “reforço de policiamento”, pondo fim aos atos de vandalismo que se tinham tornado habituais.

Autor: Redação DS

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Intervenção terapêutica no luto, em Moura

A Câmara Municipal de Moura vai dar início ao 3.º grupo de apoio do projeto “Intervenção T…