A Associação Eborae Mvsica realiza, em julho, o XXI Ciclo de Concertos “Música e outras Artes nos Claustros”, uma atividade marcada pela originalidade dado que o seu objetivo é articular a música com diferentes formas de expressão artística, com qualidade artística e relevância cultural.

O ciclo inicia-se dia 4 de julho, às 21h30 com o projeto “Os Músicos do Tejo”, que irá apresentar o espetáculo “Rights of Man”, com António Carrilho (flauta de bisel), Nuno Mendes (violino I) e Álvaro Pinto (violinoII), Paul Wakabayashi (viola), Henrique Constância (violoncelo) Vicente Magalhães (contrabaixo), Marta Araújo (cravo) e Marcos Magalhães (cravo e direção musical);

Rights of Man (popular-erudito-escrito-imaginado) – Um programa que demonstra várias ligações entre música popular e música erudita, mas também entre música totalmente escrita e música que faz apelo à imaginação e capacidade de improvisação dos músicos.

Nas danças que Playford recolheu e editou – unicamente sob a forma de melodia sem acompanhamento – encontramos algumas Jigs e Hornpipes que ainda hoje são tocadas pelos músicos populares irlandeses e cujos padrões rítmicos e ambiente melódico também reconhecemos nas peças, contrapontisticamente luxuriantes, de Purcell.

Programa : John Playford (1623–1686/7) – Excertos de The english dancing master: Bobbing Joe, Rights of Man, Black and Grey, An Italian Rant, Prince Rupert’s March & Prins Robbert Masco, Wallom Green ; Henry Purcell (1659-1695) – Suite extraída de The Fairy Queen (1692) : Dance for the green men, Rondeau , First act tune – Hornpipe, Third act tune – Hornpipe, Chaconne (Dance for the chinese man and woman); Antonio Vivaldi (1678-1741) – Concerto para flauta “La tempesta di mare”:Allegro – Largo – Presto; William Byrd (1543-1623): The Queen’s Alman; J. Dowland (1563-1626): The Earle of Essex Galiard ; W. Byrd: La Volta ; Anónimo: Ballad Watkin’s Ale ; W. Byrd: Callino Casturame ; “Chaconnade”- Conjunto de várias Chaconnes tocadas em contínuo (Lully, Delalande, Destouches, Marais).

Os Músicos do Tejo – projeto musical no campo da música antiga fundado e dirigido por Marcos Magalhães e Marta Araújo.“Os Músicos do Tejo” tiveram a sua primeira apresentação em Setúbal em dezembro de 2005 e na sua curta existência como grupo especializado em música antiga já desenvolveram uma parceria com o CCB que os levou produzir três óperas, editaram dois discos, apresentaram-se em inúmeros concertos em Portugal e no estrangeiro e foram objeto de diversos apoios institucionais. As duas óperas “La Spinalba” de F. A. de Almeida e “Lo Frate Nanmorato” de G.B. Pergolesi CCB, estrearam em Maio de 2011, a ópera “Le Carnaval et la Folie” de A.C. Destouches e em Janeiro de 2013, a serenata “Il Trionfo d’ Amore” de F.A. Almeida, ambas com excelente acolhimento por parte do público e da crítica especializada. O agrupamento Os Músicos do Tejo apresenta-se em várias formações que vão desde a Música de Câmara até à Música Orquestral e Coral. Os Músicos do Tejo são apoiados pela Câmara Municipal de Lisboa e Biblioteca Nacional de Portugal.

Neste ciclo teremos ainda os seguintes concertos durante o mês de julho e sempre às 21h30:

Dia 10 – SevenDixie, com Nuno Lopes (trombone), Patricia Camelo (clarinete), João Carlos Araújo (trompete), Sérgio Galante (banjo), Mário Lopes (bateria), André Domingos (piano) e João Rasteiro (tuba)

Dia 11 – concerto comentado com Filipa Passos e Sara Afonso (sopranos) e Francisco Sassetti (piano)

Dia 17 – um Recital de Violino e Piano com Carlos Damas (violino) e Jill Lawson (piano)

Dia 18 – Auto do Labirinto (Teatro, Música e Dança Renascentista) por Il Dolcimelo com Catarina Costa e Silva (soprano), Daniela Leite Castro (contralto), Thiago Vaz Cruvinel (tenor),Tomé Azevedo (barítono), Diana Pinto (flauta renascentista), Pedro Martins (guitarra barroca), Manuel Branco (alaúde renascentista), Claudia Fischer (viola da gamba), Isabel Monteiro (flauta e percussão)

Dia 24 – Coro Polifónico “Eborae Mvsica”, direção de Eduardo Martins

Dia 31 – Trio Cremeloque, com Luís Marques (oboé), Saska Konjikusic (piano) e Franz Jurgen Dorsam (fagote)

O ciclo termina no dia 1 de agosto às 21h30 com o Sonus Faber Project – Luís Marques (oboé) e Elisabeth Davis (marimba)

É necessário efetuar reserva através do email eboraemusica@gmail.com. É solicitada a contribuição de 5 euros (entrada para cinco concertos – 20 euros). É obrigatório o uso de máscara.

A Organização é da Associação Eborae Mvsica, entidade financiada pelo Ministério da Cultura- DGArtes, com Co-Produção da Câmara Municipal de Évora, e apoio de: Diário do Sul, A Defesa, Registo, Antena 2 e Rádio Diana.

Fonte / Foto: Eborae Mvsica – Nota de imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

XXIII Jornadas Internacionais “Escola de Música da Sé de Évora – Manuel Cardoso: Um Lusitano de Fronteira”

A Associação Eborae Mvsica promove nos dias 2,3,4 e 5 de outubro as XXIII Jornadas Intern…