No âmbito dos 25 anos Museo Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemporáneo, a Fundação Eugénio de Almeida associa-se a esta celebração com a abertura, no dia 19 de junho, da exposição Do outro lado – A coleção Ibero-americana do MEIAC, que apresentando uma seleção dos mais representativos trabalhos de artistas latino-americanos, é considerada como uma das mais importantes da Europa no seu género, atualmente.

Representando em si própria uma estratégia de diálogo transfronteiriço e transterritorial, a parceria estabelecida com o MEIAC, situado em Badajoz, permite à Fundação Eugénio de Almeida dar continuidade a uma aposta de internacionalização do seu Centro de Arte e Cultura, em Évora. Assim, através de parcerias institucionais e da colaboração com curadores e artistas estrangeiros, procura oferecer-se mais oportunidades de aproximação do público ao universo da criação artística contemporânea internacional, através da visão e da obra de alguns dos seus protagonistas.

Desde a sua inauguração que o MEIAC tem mantido um fortíssimo vínculo com a criação artística de países da América Latina, sendo esse um dos seus objetivos programáticos fundamentais. Por conseguinte, Do outro lado apresenta obras do outro lado da fronteira, que chegaram ao Museo Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemporáneo desde o outro lado de uma outra fronteira tão física e determinante como um oceano interposto entre dois continentes.

Conforme explica o curador, José Ángel Torres Salguero, “Num tempo em que tantas fronteiras se estão a transformar, esta exposição pretende ser uma reivindicação da arte latino-americana para além dos territórios, enfatizando a sua diversidade antropológica, a sua capacidade de hibridização e miscigenação e a sua crescente universalidade”. E acrescenta: “Os artistas de origem latino-americana têm sido testemunhas, e ao mesmo tempo atores, da subversão de fronteiras e identidades que antes eram inamovíveis, o que lhes tem permitido explorar as linguagens, as estéticas e as técnicas que hoje definem a arte contemporânea. Essa é a realidade em que se encontra a arte latino-americana do século XXI, caleidoscópica e em contínua transformação”.

Na exposição Do outro lado, está presente a pintura, a escultura, a fotografia, a serigrafia, a instalação e o vídeo, em obras de: de Andrés Serrano (US), Antonio Seguí (AR), Arturo Elizondo (MX), Carlos Capelán (UY), Daniel Senise (BR), Dino Bruzzone (AR), Eduardo Kac (BR), Felix Curto (ES), Francis Alÿs (BE), Guillermo Kuitca (AR), José Bedia (CU), Liliana Porter (AR), Liset Castillo (CU), Los Carpinteros (CU), Manuel Ocampo (PH), Mario Cravo Neto (BR), Mario Opazo (CL), Marta Pérez Bravo (CU), Martín Sastre (UY), Miguel Rio Branco (ES), Priscilla Monge (CR), Ray Smith (US), Saint Clair Cemin (BR), Segundo Planes (CU).

A exposição tem entrada livre e poderá ser visitada no piso 1 do Centro de Arte e Cultura da Fundação Eugénio de Almeida, de 3ª feira a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00.

Mais informação em www.fea.pt/centrodearteecultura/dooutrolado.

Fonte / Foto: Fundação Eugénio de Almeida – Nota de imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

A MARGEM DO TEMPO de Franz Xaver Kroetz em Évora

Num espectáculo de final de carreira, aos 80 anos de palco, com texto de Franz Xaver Kroet…