As insolvências tiveram um aumento global de 44% nos primeiros quatro meses de 2021 face ao período homólogo de 2020, com um valor absoluto acumulado de 2 045 insolvências, motivado em grande parte pelo encerramento de processos. Apenas no mês de abril registaram-se 508 insolvências, mais 272 que no ano transato (aumento de 115%), das quais 319 são processos encerrados, 62,8% do total de insolvências apresentado.

Por tipologia de ações, no primeiro quadrimestre deste ano foi requerida a insolvência de 432 empresas, o que retrata um aumento de quase 69% face ao período homólogo de 2020, enquanto as declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas passaram de 363 para 421 (+16%). No período em análise, foi declarada a insolvência a 1 173 empresas (+49%) e foram aprovados 19 planos de insolvência (+5,6%).

Em termos absolutos, os distritos do Porto e de Lisboa são os que apresentam maior número de insolvências: 503 e 408, respetivamente. Seguem-se Braga, com 249, Aveiro (161), Setúbal (119) e, a alguma distância, o distrito de Faro (70). Na Madeira foram registadas 50 insolvências (+39%), enquanto nos Açores: Ponta Delgada teve um aumento de 70% face a 2020 (total de 17 insolvências), Horta manteve um único registo em ambos os anos e em Angra do Heroísmo é de assinalar um decréscimo de 50% face a 2020 (total de quatro insolvências).

Em termos percentuais, as maiores variações no primeiro quadrimestre deste ano pertencem aos distritos de: Vila Real (+300%), Guarda (+217%), Setúbal (+109%), Castelo Branco e Portalegre (ambos com aumentos de 100%), Lisboa (+71%), Ponta Delgada (+70%), Viana do Castelo (+68%) e Coimbra (+66%).

Apesar da maioria dos distritos (68%) apresentar aumentos neste indicador, há decréscimos a registar em: Angra do Heroísmo (-50%), Bragança (-40%), Santarém (-18%), Faro (-15%), Évora (- 6,7%) e Leiria (-1,5%).

No acumulado por setores, assinalam-se aumentos em todas as áreas de atividade, exceto no setor da Agricultura, Caça e Pesca, sendo os mais significativos os que se registam nos setores de: Telecomunicações (+400%), Hotelaria e Restauração (+140%), Eletricidade, Gás, Água (+100%), Comércio de Veículos (+81%), Indústria Extrativa (+50%), Construções e Obras Públicas (+48%), Comércio por Grosso (+45%) e Outros Serviços (+44%).

Constituições crescem quase 194% em abril de 2021

As constituições em abril tiveram um crescimento homólogo de 194% face a 2020, evoluindo de um total de 1.185 para 3.481 novas empresas. No acumulado do ano, a variação é de 4,5% alcançando-se um total de 13.857 constituições.

O número mais significativo de constituições regista-se em Lisboa, com 3 973 novas empresas, e no Porto (2 666). No entanto, o distrito de Lisboa apresenta um decréscimo de 7,8% face a 2020, enquanto no Porto é de sublinhar um aumento de 9,5%.

Os distritos com incrementos mais significativos são: Bragança (+88%), Horta (+52%), Madeira (+48%), Leiria (+24%) e Viseu (+24%). Os que apresentam diminuições mais destacadas são: Lisboa (-7,8%), Faro (-6,1%), Coimbra (-5,1%) e Vila Real (-5%).

Os setores com variação positiva na constituição de novas empresas são: Indústria Extrativa (+100%), Comércio a Retalho (+54%), Agricultura, Caça e Pesca (+39%), Telecomunicações (+24%), Construções e Obras Públicas (+11%), Comércio por Grosso (+7,1%), Outros Serviços (+6,4%) e Indústria Transformadora (+3,7%). Com decréscimo na criação de novas empresas surgem os setores de: Transportes (-50%), Eletricidade, Gás, Água (-34%), Hotelaria e Restauração (-15%) e Comércio de Veículos (-2,5%).

Fonte: Iberinform / Nota de imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Amazon constrói nave em Badajoz com a área de dez campos de futebol

Seguem em grande a ritmo as obras de instalação do centro da Amazon na Plataforma Logístic…