A nossa presença aqui em Évora é “uma gotinha no oceano”. Foi assim que a enfermeira Filomena Silva Costa, lusodescendente, caracterizou a equipa luxemburguesa, constituída por ela e por uma médica anestesista, que se encontra em Évora, desde o passado domingo, a prestar serviço na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), no âmbito da luta contra o Covid-19.

“Nós somos uma gotinha no oceano que é esta luta contra o Covid-19. Uma luta que vai ser longa”, frisou, “mas para nós vai ser uma experiência inesquecível”.

Filomena Silva Costa, de 45 anos, falava na cerimónia de receção da primeira equipa de profissionais de saúde do Luxemburgo que estará em Évora, e que teve lugar no Hospital do Espírito Santo, esta terça-feira, na presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales; do presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá; e do embaixador do Luxemburgo em Lisboa, Conrad Bruchdo, entre outras entidades.

A primeira de duas equipas de profissionais de saúde do Luxemburgo que vão trabalhar na UCI do HESE é constituída ainda pela médica anestesista Modesta Dargeviciute, de 34 anos. Filomena Costa leciona na Escola Técnica para Profissionais de Saúde do Luxemburgo, enquanto a médica Modesta Dargeviciute trabalha no maior hospital da cidade alemã de Trier e no serviço de Salvamento Aéreo do Luxemburgo.

Filomena Silva Costa contou que “há uma ou duas semanas” viu pela televisão “a situação dramática em que se encontrava Portugal. Senti-me muito frustrada e quando recebi uma mensagem da reserva sanitária, onde estou inscrita desde março de 2020, fiquei muito feliz e telefonei logo à minha mãe a perguntar se ela estava de acordo que eu me ausentasse durante 15 dias e se tomava conta do meu filho e ela concordou”, relatou. A enfermeira lusodescendente assinalou que ela e a médica estão “orgulhosas e felizes por poder ajudar” e garantiu que a integração no hospital de Évora está a “correr às mil maravilhas”.

O presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, na sua intervenção, destacou os valores humanistas: “Não só não caíram em desuso como há necessidade de os promover e afirmar”.

“O que estamos hoje, aqui, a assistir é uma prova de solidariedade extraordinária proveniente do Luxemburgo. Quero aproveitar esta oportunidade para agradecer publicamente, em nome de Évora, do Alentejo, este contributo do povo luxemburguês”.

Fonte: Município de Évora / Nota de imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Arena d’Évora é o “palco” para a vacinação dos utentes deste concelho

Cerca de 1800 pessoas vacinadas contra a Covid-19 nos primeiros dias. …