A Universidade de Évora (UÉ) integra a Cátedra EDUWELL, promovida pela UNESCO, que surgiu da parceria entre diversas Instituições de Ensino Superior (IES) portuguesas, em associação com instituições de Angola, Brasil, Cabo Verde Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste com o objetivo de fazer face às desigualdades tecnológicas, de educação e de conhecimento científico, que se constituem como alguns dos maiores desafios do século XX. O lançamento decorreu online, no dia05 de fevereiro, e contou com a participação de Ana Costa Freitas, reitora da UÉ.

Esta nova cátedra aposta na criação de bolsas de estudo, programas de pós-graduação, formações de curta duração e incentivos à investigação e ao desenvolvimento das suas instituições, como formas de, em rede, promover a aprendizagem, a transferência de conhecimento, a criação de oportunidades e o debate científico entre as várias entidades parceiras.

Através de uma abordagem multidisciplinar assente nas áreas da Educação e da Ciência, esta Cátedra da UNESCO prevê ainda a organização de encontros internacionais, promovendo assim a internacionalização através da mobilidade de jovens estudantes e investigadores entre universidades e centros de investigação e providenciando, desta forma, as ferramentas para que estes possam, posteriormente, implementar nos seus próprios países programas educativos e científicos.

Ana Costa Freitas acredita que esta cátedra venha a impulsionar a “adoção de políticas conscientes, cientificamente sólidas e comprovadas” a nível internacional por forma a auxiliar por esta via a “construção de um mundo melhor”, até porque, tal como sublinhou, “só com uma aposta na educação será possível exercer uma democracia plena”. Adiantou ainda que foi com “enorme entusiasmo que aceitou o repto lançado por Maria Salomé Pais, secretária-executiva da Cátedra EDUWEL, para a integração da UÉ neste “ambicioso projeto”.

 “É já um lugar-comum dizer que vivemos num mundo global, porém neste mundo global existem terríveis desigualdades, nomeadamente no que se refere ao acesso à educação, aos direitos fundamentais, ao trabalho digno, ao crescimento económico inclusivo, à igualdade de género, entre outras. É no contexto dos objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU que se insere esta Cátedra UNESCO EDUWELL” reforçou Maria Salomé Pais, que fez questão de realçar no decorrer da sua intervenção que foi “a conjuntura socioeconómica que levou à génese da Cátedra EDUWELL, bem como a premência deste projeto.”

O lançamento, que contou com a presença de António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO e de vários membros das instituições parceiras, incluiu ainda com a intervenção de João Alberto Sobrinho Teixeira, secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, enquanto representante do “envolvimento institucional do Governo de Portugal, do nosso Ministério no trabalho que foi desenvolvido” e reconhecendo o empenho e dedicação colocados na criação desta cátedra.

Desenvolver uma sociedade baseada na educação, criar condições para que os cidadãos e os governos se tornem cientificamente literatos e provocar transformações sociais através da criação de conhecimentos sobre as diferentes áreas envolvidas, que influenciam o diálogo intercultural, o bem-estar e o desenvolvimento sustentável foi a principal mensagem deixada pelos participantes que integram esta nova cátedra UNESCO, organização fundada em 1945 com a missão de contribuir para “construção da paz”, reduzindo a pobreza e promovendo o desenvolvimento sustentável e o diálogo intercultural, através da educação, ciências, cultura, comunicação e informação.

Fonte: Universidade de Évora / Nota de imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Vídeo sobre a pandemia feito por aluno de Évora tem tido “feedback” positivo

Trabalho do jovem de 14 anos já foi mostrado em várias escolas. Foto: Miguel Madeira …