O Município de Évora fez um balanço da pandemia de Covid-19 no concelho, sendo referente ao dia 7 de fevereiro. Esse comunicado foi assinado pelo presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, que faz assim um ponto da situação neste território.

Como era previsível, os meses de dezembro e janeiro apresentaram um agravamento constante da pandemia Covid-19 no concelho de Évora, no Alentejo Central e em Portugal. Há muito que a Câmara Municipal de Évora (CME) identificou e alertou (incluindo a nível regional e nacional) para as principais dificuldades e estrangulamentos de um eficaz combate à pandemia, em particular, a falta de profissionais de saúde (na saúde pública, no ACES-Agrupamento de Centros de Saúde, no HESE-Hospital do Espírito Santo de Évora), a falta de cuidadores e outros profissionais para resposta às estruturas residenciais para idosos e outros, a possibilidade de ruptura no HESE, o apoio e a capacidade operacional das associações de bombeiros voluntários.

Precavendo o agravamento da pandemia, a CME – com base no Plano de Emergência atempadamente definido – tomou um conjunto de medidas preventivas e operacionais.

Destaca-se, a passagem da Zona de Acolhimento Municipal a funcionar em residência cedida pela Universidade de Évora e fruto de uma parceria entre a CME, a Proteção Civil, a Saúde (ACES) e a Segurança Social, a EAR – Estrutura de Acolhimento Residencial, de modo a dar resposta a todo o Alentejo Central, incluindo o Hospital. A EAR tem capacidade para, pelo menos, 40 utentes. Este processo foi concluído, em termos operacionais, em novembro passado.

Destaca-se a criação da Estrutura Municipal de Apoio ao Hospital (EMA/HESE) para doentes Covid-19. O Município de Évora assegurou toda a adaptação do edifício bem como a logística; o HESE supervisionou, validou e cedeu equipamentos de saúde; o projecto Aconchegar ofereceu 20 camas hospitalares completas. A criação da EMA/HESE revelou-se decisiva para evitar a rutura do HESE e foi ativada no passado dia 7 de janeiro. A EMA/HESE funciona com equipas de saúde do HESE e equipas de apoio da CME, numa parceria exemplar. Completou-se agora um mês de funcionamento da EMA/HESE e há a relevar a importância da EMA/HESE no apoio ao hospital e na prestação pública de cuidados de saúde Covid-19 à população do Alentejo Central, sendo que, até ao dia 6 de fevereiro, 81 doentes de todo o distrito já passaram pela EMA/HESE.

No concelho de Évora, a pandemia cresceu em dezembro e janeiro, tendo atingido o valor máximo (pico) no dia 27 de janeiro, com 750 novos casos nos 14 dias anteriores, correspondendo a 1 430,5 casos por 100 000 habitantes. A maioria dos contágios verificou-se em seio familiar e em surtos em lares, estes últimos constituindo as maiores preocupações pelo risco envolvido para os utentes e funcionários. Desde 27 de janeiro, os novos casos têm vindo a descer e o número de pessoas recuperadas tem aumentado significativamente.

A 4 de fevereiro, o número de novos casos nos últimos 14 dias baixou para 473, correspondendo a 902,2 casos por 100 000 habitantes e Évora desceu de “risco extremamente elevado” para “risco muito elevado”. Esta evolução é muito positiva.

Os dados do dia 6 de fevereiro mantêm a tendência positiva: recuperaram 171 pessoas, sendo o total de recuperados de 2433; os casos ativos eram então 536, dos quais 13 novos; o total de casos desde o início da pandemia é de 3026; não houve óbitos, mantendo-se o total de 57. Registavam-se nessa data seis surtos dos quais dois em resolução (28 dias sem novos casos) e os restantes quatro em lares estão controlados. A EMA/HESE tinha sete doentes e iniciou-se a instalação de uma rede de fornecimento de oxigénio, a cargo do hospital.

A melhoria da situação pandémica não nos deve descansar porque se mantêm condições de propagação da doença e os riscos abrangem todos. É, pois, essencial que se continuem a cumprir as orientações da Direção Geral de Saúde, nomeadamente quanto à distância física e ajuntamentos, quanto ao uso de máscara, quanto aos cuidados sanitários e higienização.

O Município de Évora continuará a aplicar o Programa de Emergência de combate à pandemia Covid- 19, a implementar todas as medidas que se revelem necessárias e a assegurar, com as condições de seguranças exigidas, todas as atividades municipais essenciais.

Fonte: Município de Évora / Nota de imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Feira da Luz/Expomor 2021 foi cancelada

Decisão conjunta do Município de Montemor-o-Novo e da APORMOR …