A NOVA Information Management School (NOVA IMS), da Universidade Nova de Lisboa, e a COTEC Portugal, passam a disponibilizar um conjunto de previsões mensais para a taxa de desemprego em Portugal, através do dashboard COVID-19 Insights. Estas previsões encontram-se desagregadas por regiões (NUTS II) e por concelhos.

“É de destacar o carácter inovador desta investigação, na medida em que esta é a primeira vez que se constroem previsões mensais para a taxa de desemprego para todos os concelhos de Portugal continental”, nota Pedro Simões Coelho, professor catedrático da NOVA IMS e um dos coordenadores do projeto.

“Este modelo de previsão do desemprego permite alargar o dashboard COVID-19 Insights passando a incluir variáveis económicas e sociais”, afirma Jorge Portugal, Director-Geral da COTEC Portugal.

Pedro Simões Coelho sublinha ainda o carácter interativo deste estudo: “O utilizador não se limita a ver uma folha estática com os dados. Pode facilmente cruzar as dimensões que mais lhe interessam, o que nos permite disponibilizar uma análise dinâmica do objeto do desemprego em Portugal em 2020”.

O modelo econométrico desenvolvido pela NOVA IMS assenta no pressuposto de que não ocorrerão medidas de lockdown universais na atividade económica portuguesa, pois esta é a hipótese tida enquanto mais provável pelos seus especialistas. Naturalmente, o modelo será reajustado caso este pressuposto se venha a verificar inverosímil e se verifique um novo confinamento.

De modo a garantir a fiabilidade das previsões produzidas, o modelo proposto pela NOVA IMS será atualizado mensalmente, com recurso a instrumentos de aprendizagem automática conjugados com as melhores técnicas de recolha, processamento e organização de dados em tempo real.

A obtenção de uma granularidade como aquela que este exercício demonstra só é possível aliando técnicas de machine learning à econometria tradicional. Donde, se o modelo econométrico permitiu prever a taxa de desemprego até ao final do ano de 2020, foi através do recurso a algoritmos de machine learning que se alcançou a desagregação das previsões da taxa de desemprego por região (NUTS II) e por concelho.

Com os dados disponíveis no momento, e não esperando que novas limitações da atividade económica, tais como aquelas que sucederam em março deste ano, tenham lugar, prevê-se que a taxa de desemprego global possa atingir os 10,2% no final do ano.

Destaque para as regiões do Algarve, Lisboa e do Norte, onde a tendência negativa no emprego deverá ser mais evidente, atingindo mesmo a fasquia dos 11,4% na região do Algarve. Lisboa e Norte deverão chegar aos 10,7% e 10,4%, respetivamente. Em contrapartida, no Alentejo e na Região Centro a taxa de desemprego não deverá ultrapassar a barreira dos 10%, sempre abaixo da média nacional, mas ainda assim um valor muito elevado face à realidade anterior.

O modelo aponta para que, na performance por concelho, em termos de desemprego, ocorra uma grande dispersão durante 2020. À semelhança do que se verifica com as regiões, se há concelhos onde a taxa de desemprego não deverá ultrapassar os 6% (Oleiros, Mêda, Melgaço, Ferreira do Zêzere) – ficando muito abaixo da média nacional, outros há onde se prevê que a taxa de desemprego oficial possa ultrapassar os 30% (Albufeira).

Entre os 278 concelhos de Portugal continental, 11 deverão encerrar 2020 com uma taxa de desemprego superior a 20%, cinco dos quais situados na região do Alentejo. São então os concelhos de Albufeira, Mourão, Moura, Sines, Murça, Monforte, Lamego, Moimenta da Beira, Barreiro, Barrancos e Moita.

Fonte: COTEC / NOVA IMS – Nota de imprensa