Sensibilizar as empresas para as boas práticas ambientais, e sobretudo, promover o aumento da sua competitividade através da implementação de políticas de sustentabilidade ambiental são os objetivos do Núcleo Empresarial da Região de Évora (NERE).

De acordo com o presidente, Rui Espada, esta estratégia de simulação que permite medir a pegada ecológica das empresas visa inovar e ir mais longe no ecossistema empresarial.

Já está disponível em ecoalentejo-central.pt, o simulador que permite medir a pegada ecológica das empresas.

O lançamento desta plataforma marca o início de uma nova fase deste projeto que surge para “dar resposta a um conjunto de desafios essenciais na área da economia circular, nomeadamente: sensibilização e consciencialização do tecido empresarial, reforço da competitividade das empresas participantes através da divulgação dos seus projetos e a promoção do uso eficiente e produtivo de recursos”, avança o NERE.

Segundo este núcleo empresarial, o simulador da pegada ecológica pretende calcular de uma forma expedita os impactes causados pelas pegadas deixadas pelas empresas em resultado das suas atividades. São exemplos as boas práticas relacionadas com a utilização da água, da energia elétrica e transporte de pessoas e bens. No final é exibida uma pontuação de 0 a 100, bem como a classificação em hectares globais.

No site ecoalentejocentral.pt pode também ficar a conhecer-se este projeto, tomar contacto com as boas práticas ambientais da economia circular, inscrever-se em eventos de matching empresarial, ficar a par da agenda e, no mercado virtual, comprar ou vender materiais que já não sejam necessários na empresa promovendo a criação de parcerias para a sustentabilidade e a economia circular.

O NERE diz acreditar que é preciso sensibilizar as empresas e o público para a economia circular e, por isso, justifica que o sítio e o simulador agora apresentados têm como principal objetivo “consciencializar a população para a escassez premente dos recursos do planeta, incentivando a criação de estratégias inovadoras para o território do Alentejo Central, impulsionando a transição para a economia circular”.

Esta é uma iniciativa conjunta do Núcleo Empresarial da Região de Évora (NERE) e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA), cofinanciada pelo Alentejo 2020.

Recorde-se que o NERE, desde dezembro de 2015, dispõe de um centro de negócios e de uma incubadora nas suas instalações que lhe permitiram reforçar o apoio ao tecido empresarial na região.

AUTOR:   Redação DS / Maria Antónia Zacarias