A presente Antologia nasceu do desafio que a COLIBRI achou conveniente fazer a autores naturais do Alentejo ou que mantém com este território uma cumplicidade emocional, familiar, profissional ou, simplesmente, de paixão, pela sua diversidade cultural, paisagística e/ou de admiração e respeito, pelos seus naturais e pela sua resiliência face às adversidades históricas conhecidas.

No sobressalto dos nossos dias, devido à inesperada pandemia que se abateu sobre o mundo e nos remeteu ao medo e à incerteza do presente e do futuro, escrever um conto pode ser um bom paliativo ou uma forma de esconjuro ou de catarse dos nossos receios. Para alguns, pouco habituados à escrita, e, para outros, autores conhecidos e reco-nhecidos em áreas de letras, pode ser um novo caminho de desenvol-vimento da sua imaginação e criatividade literárias.

Trata-se, também, com este desafio, de uma tentativa de reunir um conjunto de pessoas que, em quase 30 anos de edição, mantiveram com a COLIBRI uma relação à volta dos livros, das revistas, das apresentações de obras diversas ou de outras iniciativas, em torno da promoção e divulgação da edição e da sua leitura. Pessoas estas que contribuíram decisivamente para manter este projecto como uma editora intrinsecamente ligada ao Alentejo, sempre disponível para analisar e procurar viabilizar obras consideradas de qualidade literária ou de defe-sa e divulgação do rico património, material e imaterial, da região.

AUTORES: Ana Carreiro Salta, Ana Paula Fitas, Antónia Ruivo, António Luiz Rafael, António Martinó, António Ramalho, Elisa de Mira, Fernando J. B. Martinho, Francisca Lopes Bicho, Francisco Bilou, Francisco Cantanhede, Isabel Marçano, J. A. David de Morais, João Galinha Barreto, João Luís Nabo, João Mário Caldeira, João Ruas, Joaquim Maria Castanho, Jorge Branco, Joseia Matos Mira, Manuela Barros Ferreira, Maria Vitória Afonso, Nuno Roque da Silveira, Pedro Faria Bravo, Raquel Gonçalves Maia, Teresa Fonseca, Tiago Salgueiro, Zulmira.